PAROU NO TEMPO, MARCELO?

Publicado em Atlético, Futebol
VESPASIANO / MINAS GERAIS / BRASIL (03.06.2016) - Treino na Cidade do Galo - Foto: Bruno Cantini/Atlético MG
Foto: Bruno Cantini/Atlético MG

(Vinícius Andrade)
A derrota para o Flamengo começou a se desenhar quando Patric apareceu entre os titulares. Já seria difícil com Carlos e Clayton, mas ao ver o camisa 29 em campo, esperei pelo pior. E não deu outra: mais uma derrota fora de casa, com um futebol digno da minha pelada de quinta-feira. O sonho do bi vai ficando cada vez mais distante, e até mesmo a vaga na Libertadores já parece ser um daqueles desejos platônicos. Não quero pedir a cabeça do técnico, até porque sou um defensor do trabalho a longo prazo, mas o início de Marcelo Oliveira à frente da equipe é decepcionante.

Não me apego simplesmente aos resultados ruins (4 vitórias, 5 empates e 4 derrotas), mas a forma como o time tem atuado. Nem mesmo a sequência de quatro vitórias em Belo Horizonte serviu para empolgar. O Atlético tem se limitado aos “chuveirinhos”, na esperança de que um pezinho salvador empurre a bola para o gol. Muito pouco para quem investiu em jogadores consagrados e certamente tem uma das folhas salariais mais caras do país.

O jogo contra o Flamengo mostrou claramente como as linhas atleticanas jogam distantes. Entre os defensores e atacantes existe um buraco enorme. Não tem aproximação, triangulação e marcação pressão. Nada de “ão”, o futebol apresentado tem sido no diminutivo mesmo. Compactação não é só uma palavrinha da moda, basta ver como as grandes equipes do mundo atuam. Não sei se o Marcelo está desatualizado ou os jogadores não correspondem em campo, mas a desorganização prevalece.

Com muito menos, Levir conseguiu resultados mais expressivos em 2015. O vice do Brasileiro foi uma bela conquista, considerando o elenco que o treinador tinha em mãos. Marcelo reclama da falta de tempo, mas quando teve uma semana para trabalhar, o que estava ruim ficou pior.

Até quando dependeremos do talento de Cazares? O coletivo precisa se sobressair à qualidade individual, no entanto, o time atleticano está longe de ter uma identidade. Passar 2016 em branco seria uma grande decepção por toda expectativa depositada. O atleticano nunca perde a esperança e vai continuar acreditando até o fim. Mas, por enquanto, só desilusão.

Siga o blog no Facebook e no Twitter

2 comentários para “PAROU NO TEMPO, MARCELO?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *