Libertadores em ritmo de Mineiro

Publicado em Atlético, Copa Libertadores, Futebol
atletico-danubio-libertadores-2019
(Foto: Bruno Cantini/Atlético/Divulgação)

(Por Fernando Gregori – @ferdsmg)

E foi dada a largada para mais uma Libertadores na vida do Galo. Aquele torneio continental que a Massa ama de paixão, onde os times precisam suar sangue pra ganhar um jogo, dar a vida por uma vitória e colocar o coração na ponta da chuteira para não serem eliminados.

Depois de 2013, a Libertadores virou obsessão para o Atleticano. Eu, particularmente, sou fã número um dela. Quero jogar todo ano, quero viajar para ver os jogos, quero ver o Galo saindo de campo a camisa manchada de sangue em cada jogo. Libertadores é a síntese do futebol raiz. Do escanteio cobrado com proteção de escudo policial. Do cachorro invadido gramado. Das bandeiras tremulando em meio a muito papel picado e fumaça. E é justamente esse lado tosco que faz a Libertadores ser a cara do Galo.

A torcida sabe disso e encara o maior campeonato do continente como prioridade máxima. Arrisco a dizer que mais do que o Brasileirão. Por isso, tanta expectativa para o nosso jogo de estreia ontem. Por isso, mais de mil torcedores foram à Montevidéu, com sangue nos olhos, apoiar o time contra o Danúbio. Pena que o time ficou com a cabeça no estadual.

Já cansei de falar aqui. Libertadores não necessariamente ganha o melhor time. E sim o time que tiver mais vontade de ganhar. Ela nunca foi e nunca será um torneio técnico. É um torneio de alma, de força e de vontade. Em 2013 nós mostramos isso para a América toda ver. Tínhamos técnica, mas jogamos com alma, com raça e com muita vontade de ganhar, em quase todos os jogos. No único jogo em que a soberba e a moleza apareceram, foi preciso um milagre de São Victor para nos salvar da tragédia.

Nos anos seguintes, a mesma coisa. Times técnicos, sem foco, sem garra e sem coração foram sendo eliminados por adversários do mesmo nível ou piores que o nosso time. Que o diga o medíocre Jorge Wilsterman.

E ontem, em um jogo contra o fraquíssimo time semi profissional do Danúbio, com 5 juniores, 3 meses sem disputar um jogo oficial e jogando em campo neutro, quase perdemos. Fomos pressionados por um bando de moleques que decidiram correr mais que os nossos jogadores e claro, um goleiro que decidiu que aquela seria a partida da vida dele. E deve ter sido.

Só não entendo porque os jogadores do Galo também não incorporaram esse espírito? O Danúbio só não queria ser goleado. E pra isso jogou com raça e determinação. Nós queremos ser campeões, mas jogamos como se estivéssemos disputando um jogo da primeira fase do Mineiro.

E se não bastasse essa displicência, ainda tivemos o desprazer de ver as atuações calamitosas de um Fábio Santos, que há 2 anos esqueceu como se joga futebol, um Adilson lento e sem pegada e claro, o Patric de sempre.

Pra piorar, outros ainda deram suas contribuições para um jogo ruim, como Luan, Chará e Elias, que atuaram abaixo do normal. Menos mal que o Pastor está inspirado e Cazares parece ter finalmente aceitado a responsabilidade de ser o nosso 10. Só ontem foram 9 assistências para finalizações. Papi Cazares está voando!

O jogo de ontem só mostrou que precisamos de reforços, sim. Um lateral esquerdo é urgente. Um reserva para o Guga também. Patric não dá mais. Já são 10 anos de boa vontade e só. E se o Tardelli não vem mais, que venha o centroavante reserva do Pastor, para fortalecer o ataque e dar opção de banco.

“Ah, mas é apenas o sétimo jogo do time no ano e você já está cornetando!” Não. Estou apenas alertando, baseado em nosso histórico de vexames recentes. Libertadores não permite bobeiras. E ontem demos bobeira. Óbvio que o Galo é mega favorito no Horto. Óbvio que a chance de golear é gigantesca. Mas lembrem-se que é o Galo. E nada nunca é simples pra gente. Pra esse Danúbio vir aqui, fazer um gol e colocar todo mundo debaixo da trave, não custa nada. Cansamos de ver esse filme.

Que os jogadores vejam e revejam os vídeos de 2013 e entendam que, pra ganhar a América, vai ser preciso muito mais do que golear o Boa Esporte.

Gostou do conteúdo? Deixe sua opinião nos comentários.
Siga o blog > Facebook | Twitter | Instagram

5 comentários para “Libertadores em ritmo de Mineiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *